quarta-feira, 13 de julho de 2022

Paraná tem 8,4 milhões de eleitores aptos a votar em outubro

 



O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) divulgou, nesta quarta-feira (13), o eleitorado total do estado para as eleições de outubro. Estão aptos a registrar seu voto nas urnas, no dia 2 de outubro e, se necessário, no dia 30 (data do segundo turno), 8.475.626 de paranaenses. O número de eleitores cresceu 6% em relação aos 7,9 milhões das eleições de 2018.

Parte desse crescimento se deve à boa adesão dos jovens de 16 e 17 anos, cujo voto é facultativo. Segundo o TRE, 118.659 menores de idade tiraram seu primeiro título de eleitor no prazo que os credencia para votar em outubro. O número é mais do que o triplo dos jovens eleitores de 2020 (36.725), mas ainda representa menos da metade da população desta faixa etária, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta a existência de 310 mil jovens entre 16 e 17 anos vivendo no Paraná, o que representa uma adesão de 36% da população desta faixa etária ao alistamento eleitoral.

Mulher, de 44 anos, com ensino médio completo: esse é o perfil médio do eleitor paranaense. Segundo os números do TRE, as mulheres representam 53% do eleitorado, enquanto a faixa etária com maior número de eleitores (2,2 milhões) é entre 45 e 59 anos, apesar de a média de idade ser de 44 anos. A maior parte das eleitoras e dos eleitores declararam ter o ensino médio completo (28%), seguida daqueles que têm o fundamental incompleto (23%), superior completo (14%), médio incompleto (13%), fundamental completo (7%), superior incompleto (7%) e outros (6%).

Fonte: Gazetadopovo roger-pereira Foto: Marcello Casal

PODCAST A OPINIÃO SEM PATRÃO


 

Ministro diz que Brasil pretende comprar todo o diesel que puder da Rússia

 

O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, afirmou que o Brasil busca fornecedores de diesel seguros e confiáveis

 


Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados.

 

O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, assegurou na terça-feira (12) que o Brasil quer comprar todo o diesel que puder da Rússia, com quem está finalizando um acordo para adquirir esse tipo de combustível a um preço mais barato, segundo antecipou o presidente Jair Bolsonaro.

Durante uma visita à ONU, França comentou que o Brasil busca, como outros países, fornecedores de diesel "seguros e confiáveis", em um momento em que há alguns problemas de refino e para garantir que o setor agrícola e os motoristas tenham combustível suficiente. O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, afirmou que o Brasil tem estoques de diesel para 50 dias sem a necessidade de importação.

"É claro que a Rússia é um grande fornecedor de petróleo e gás. Você pode perguntar à Alemanha sobre isso, você pode perguntar à Europa sobre isso", disse o chanceler brasileiro a repórteres na sede das Nações Unidas, em Nova York. Em seguida, ao ser perguntado sobre quanto diesel o governo brasileiro espera comprar da Rússia, França respondeu "tanto quanto pudermos".

Já ao ser confrontado sobre o interesse em adquirir combustível de um país que está invadindo outro em violação à Carta das Nações Unidas, o ministro limitou-se a dizer: "Talvez você devesse perguntar ao senhor (Olaf) Scholz (chanceler da Alemanha), cujo país é altamente dependente das importações de energia russas”.

Gazeta do Povo

quarta-feira, 29 de junho de 2022

NISHIMORI E SEU COMPROMETIMENTO COM O PARANÁ E COM O BRASIL


Há mais de 20 anos, Nishimori ingressou na vida pública, já tendo cumprido dois mandatos como deputado estadual, estando no seu terceiro mandato como deputado federal. Desde o início de sua carreira política, Nishimori percebeu a necessidade de uma atuação mais voltada para as necessidades municipais.

Assim, Luiz Nishimori passou a visitar cada município para conhecer quais eram as reais demandas locais e, desde então, começou a destinar recursos para melhorar a qualidade de vida da população.

Mesmo após estes 20 anos de mandato, o parlamentar prossegue visitando municípios e, hoje, suas principais demandas são na área de Saúde, Infraestrutura, Educação, Agricultura, Lazer e Esporte e Turismo.

Apenas em emendas individuais para a Saúde, o deputado já destinou mais de 105 milhões de reais para os municípios. Os recursos foram utilizados para a reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde e hospitais; para a compra de materiais permanentes e descartáveis; para a aquisição de equipamentos médicos e custeio em geral das UBSs e hospitais. O parlamentar foi favorável em todas as votações relevantes no combate à pandemia da covid-19. Apresentou requerimentos de apoio aos profissionais da Saúde e trabalhadores que estavam na linha de frente contra a doença.

Para a área da Educação, destinou mais de 112 milhões de reais em investimentos em todo o estado. Os recursos estão sendo utilizados para a construção, reforma e ampliação de Centros Municipais de Ensino Infantil (CMEIS) e de ensino fundamental. Os investimentos também podem ser utilizados para a compra de equipamentos e construção de praças de esportes. Além disso, o deputado destinou vários ônibus escolares para os municípios do Paraná, inclusive algumas unidades com acessibilidade.

Nishimori é um deputado municipalista e parceiro da Agricultura, para onde já destinou mais de 60 milhões de reais para a aquisição de tratores, equipamentos e insumos; construção de sedes para as associações e de barracões para feiras livres, além da aquisição de caminhões para associação de feirantes.

Luiz Nishimori destinou mais de 40 milhões em emendas para Infraestrutura dos municípios, que foram investidas em asfalto, recape asfáltico, pedras irregulares para estradas rurais, construção de barracões industriais, dentre outras necessidades.

O deputado também é um grande incentivador do Lazer, Esporte e Turismo. Ao todo, já foram investidos mais de 14 milhões de reais para estes setores, como: manutenção de parques públicos; revitalização de praças e avenidas; instalação de playgrounds infantis; adequação de portais; compra de equipamentos; construção, reforma e ampliação de ginásios de esportes; adequação de centros esportivos e ações que ajudam no incentivo ao esporte e turismo paranaenses.

Para contribuir com a área de Saneamento e Saúde Ambiental do Estado do Paraná, destinou quatro milhões de reais em caminhões compactadores de lixo, caminhões caçamba e caminhões pipa.

Como legislador, dentre os mais de 200 projetos e requerimentos apresentados na Câmara Federal, é autor do PL 354/2021, que cria a Lei Magó, uma proposta para combater a discriminação de gênero e sexismo nas peças publicitárias.

Na Frente Parlamentar da Agropecuária, o parlamentar é coordenador de Segurança no Campo, no que diz respeito à questão alimentar, tendo sido escolhido para ser relator do PL 6299/2002, que cria a Lei do Alimento Mais Seguro, uma proposta para desburocratizar o emprego de novas moléculas dos defensivos agrícolas e pesticidas, que possuem menos toxidade, garantem mais segurança alimentar e um preço mais baixo para o consumidor final.

Nishimori preside a Frente Parlamentar em Defesa do Pescado, que tem realizado audiências, apresentado requerimentos e projetos para promover o consumo de pescados. Isso, enfatiza a sua busca por mais incentivos para este setor tão promissor da economia brasileira.

Como presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Japão da Câmara dos Deputados, o parlamentar chefiou inúmeras missões econômicas que visaram promover o intercambio econômico, cultural e educacional entre as duas nações. Em sua última missão econômica, Nishimori promoveu os produtos agroindustriais brasileiros, principalmente a carne suína; se reuniu com autoridades e com a comunidade brasileira no Japão para tratar sobre a questão dos vistos yonseis, educação, acordo de Livre Comércio, estágio para brasileiros e a liberação da obrigatoriedade de visto para turistas.

Em Brasília, Luiz Nishimori tem trabalhado para proporcionar o melhor para os municípios paranaenses e para o país, no que diz respeito à criação do Plano Nacional de Industrialização, que proporcionará mais empego e renda para a população e, ainda, contribuir com a economia do Brasil.


sexta-feira, 17 de junho de 2022

Nota de pesar sobre assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips

 

É com muito pesar que lamentamos o cruel assassinato do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. Os ativistas estavam desaparecidos desde domingo (5) e foram vistos pela última vez na região do Vale do Javari, na Amazônia. De acordo com a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), eles haviam recebido ameaças.

O que tem se tornado o Brasil, afinal? Nos últimos três anos, nosso país vem se configurando cada vez mais em uma terra em que a única lei válida é a do “vale-tudo”. Vale a invasão e grilagem de territórios; vale a proliferação do garimpo; vale a extração ilegal de madeira; vale todo e qualquer conflito territorial… e vale matar para garantir que nenhuma dessas atividades criminosas sejam impedidas de acontecer. E tudo isso alimentado pelas ações e omissões   do governo brasileiro. 

"Abandono e revolta. São esses os sentimentos que devastam todos nós que, daqui ou de fora da Amazônia, entregamos nossas vidas à defesa dessa floresta e de seus povos. Graças às ações e omissões de um governo comprometido com a economia da destruição, ficamos órfãos de dois grandes defensores da Amazônia e, ao mesmo tempo, reféns do crime organizado que hoje é soberano na região", afirma Danicley de Aguiar, porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil. 

Ao longo dos últimos três anos, os povos da floresta vivenciam um aumento vertiginoso da violência em seus territórios, e dentro do Congresso a situação não é diferente. Enquanto o mundo lamenta a perda de Bruno Pereira, de Dom Phillips, tramitam no Congresso projetos de lei que ameaçam as Terras Indígenas (TIs) brasileiras, como o PL 191/2020, que libera  a mineração e outras formas de exploração econômica dentro de TIs; e o PL 490/2007 que, de maneira inconstitucional, advoga em favor do Marco Temporal. 

A cada dia que passa, a política anti-indígena do Brasil de Bolsonaro avança a passos largos e os direitos dos povos originários são violados permanentemente. 

"Já basta. O mundo tem de acordar e tomar as medidas necessárias para pôr fim à violência e à repressão intoleráveis que assolam a Amazônia. A maior homenagem que podemos prestar agora a Bruno e Dom é continuar o seu trabalho vital até que todos os povos do Brasil e as suas florestas estejam totalmente protegidos", declara Pat Venditti, diretor executivo do Greenpeace Reino Unido, país de origem do jornalista Dom Phillips, e que tem dado suporte à equipe do Greenpeace Brasil no acompanhamento do caso.

Às famílias, amigos, ativistas, povos indígenas e todas as pessoas que advogam pela vigência dos direitos humanos, o nosso mais sincero pesar e solidariedade. 



domingo, 29 de maio de 2022

Entidades querem ampliar isenção do ICMS sobre energia renovável

 


Entidades do setor produtivo solicitam ao governador Carlos Massa Ratinho Jr aprimoramento do convênio ICMS 16/2015/Confaz, que trata da isenção de ICMS sobre geradoras e distribuidoras de energias

Um grupo empresarial composto pelo G7, que reúne as sete principais entidades do setor produtivo paranaense, e mais nove entidades de classe estão solicitando ao governador Carlos Massa Ratinho Júnior o aprimoramento do Convênio ICMS 16/2015/Confaz, que trata da isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços das empresas geradoras e distribuidoras de energia alternativa.

No documento enviado nesta sexta-feira, 27, ao governador, as entidades pedem nova adesão ao convênio, que vence no próximo dia 31, por tempo indeterminado, e inclua as pequenas empresas geradoras de energia para, também, serem contempladas com o benefício da isenção do ICMS. As entidades alegam que “com o fim da isenção para as geradoras e distribuidoras há risco quanto à competitividade do Estado do Paraná para a atração de novos investimentos em geração de energia elétrica renovável e econômica”.

Sobre o convênio

O Convênio ICMS nº 16/2015, de autoria do Conselho Nacional de Política  Fazendária (Confaz),  estabeleceu a isenção de cobrança de ICMS sobre a energia elétrica gerada por sistemas de microgeração e minigeração distribuída a partir de  fontes renováveis (GD) e compensada por meio do Sistema de Compensação de Energia Elétrica (SCEE). Este convênio contribui de forma expressiva para o desenvolvimento da GD no Estado do Paraná, reduzindo custos operacionais da geração própria de energia elétrica renovável. Desde a sua publicação, têm exercido papel fundamental na viabilidade econômica dos sistemas de GD, atraindo empresas de toda a cadeia produtiva ligada ao setor, gerando novos empregos locais de qualidade e aumentando a arrecadação de tributos para os cofres públicos.

As entidades destacam que no Paraná houve aumento da potência instalada de Geração Distribuída, passando de 42 MW em 2018 para 510  MW em maio de 2022 (fonte: Aneel). Esse crescimento somente foi possível devido à adesão do Paraná ao Convênio ICMS nº 16/2015, que ocorreu em maio de 2018.

No entanto, o Governo do PR realizou a adesão limitando o benefício ao prazo máximo de 48 meses por unidade consumidora beneficiada pelo Convênio, sendo possível a concessão uma única vez por endereço.

Dessa forma, as entidades pedem ao governador condições isonômicas às já aplicadas em outros Estados brasileiros, sem limite de prazo para o benefício por unidade consumidora beneficiada pelo Convênio e que também amplie a isenção do ICMS para micro e  mini GD até 5 MW. 

 Entidades envolvidas no pleito

O documento seguiu para o governador assinado por representantes das seguintes entidades: Sistema Faciap, Sistema  Faep, Sistema Fiep, Sistema Ocepar, Fetranspar, Associação Comercial do Paraná, Fecomércio-PR, Movimento Pró-Paraná, Conselho Regional de Engenharia e  Arquitetura (Crea), Instituto de Engenharia do Paraná (IEP); Associação Brasileira de  Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Associação Brasileira de PCH e CGH–ABRAPCH; Associação Brasileira de Energia Eólica – Abeeólica, Associação  Brasileira do Biogás (Abiogás), Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) e Associação das Empresa da Cidade Industrial de Curitiba (AECIC).

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Com visita de Bolsonaro, Expoingá terá mais um dia de portões abertos

 


E para o público poder aproveitar a visita do presidente na feira, a Expoingá terá mais um dia com portões abertos ao público de forma gratuita. Nesta quarta-feira, 11, os portões abrirão a partir das 14h. Até às 17h, as pessoas poderão entrar no parque sem a cobrança de ingresso. A chegada do presidente ao parque está prevista para às 16h, como explica a presidente da Sociedade Rural de Maringá (SRM), Maria Iraclézia de Araújo.       

Paraná tem 8,4 milhões de eleitores aptos a votar em outubro

  O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) divulgou, nesta quarta-feira (13), o eleitorado total do estado para as eleições de out...